Dicas

Dicas para piscina e como escolher um refletor

 

Quais são as 2 grandes categorias de refletores de piscina hoje no mercado?

 

Hoje, o mercado de refletores de piscina é muito diverso e complexo. Existe uma grande diversidade de produtos, de fabricantes, de material usado, de tipo de acabamento, de potência, de tecnologia de LED, de vendedores, alguns refletores que precisam de nichos e outros não, existem refletores dedicados para piscinas novas, outros modelos mais orientados ao mercado de reposição de refletores antigos etc... Para quem está iluminando a sua piscina pela primeira vez e que está precisando de escolher um modelo, essa simples tarefa pode parecer muito desafiadora. O objetivo aqui não é de escolher um modelo para você, seria muito pretensioso da nossa parte, mas apenas de ajudar você entender as 2 grandes categorias de refletores disponíveis no mercado Brasileiro. Essas duas categorias são:

  1. Refletores de LED em ABS

  2. Refletores de LED metálicos

 

Vamos apenas aqui destacar as características entre os dois sem entrar nos detalhes. Para mais detalhes, ver a próxima seção.

 

Os refletores em ABS (que é um tipo de plástico de alta resistência) tem as seguintes caraterísticas:

  • Mais baratos

  • Diâmetro externo maior

  • Rejeição térmica do LED é menor

  • A condutividade térmica do ABS é péssima

  • Acabamento externo é geralmente branco

  • Usa tecnologia LED mais antiga e menos potente (chuveirinho ou SMD com potência de 3W até 9W)

  • Tem mais problemas de vedação (retorno de garantia)

  • Por ser mais fracos, eles iluminam menos que um refletor de super LED

 

Os refletores metálicos (geralmente alumínio ou em alguns raros casos em aço) tem as seguintes caraterísticas:

  • O diâmetro externo é menor, então são mais discretos

  • A vedação é mais segura e a probabilidade de água entrar é menor

  • O acabamento externo pode ser escovado ou cromado

  • Usa tecnologia mais avançada com super led, mais potente (de 8W até 25W)

  • A rejeição térmica é maior

  • A condutividade térmica do metal é 1000 superior à condutividade térmica do ABS

  • Os modelos metálicos geralmente são mais caros

  • Por ser de super Led, eles iluminam mais que um refletor em ABS

 

Diferença entre um refletor em ABS e um refletor em alumínio (ou aço).

Nessa seção, vamos focar em algumas características de cada refletor. Umas das primeiras decisões que você vai ter que tomar é escolher entre um refletor em ABS ou um refletor em metal, principalmente em alumino. Quais são as diferenças e qual é o melhor? Apesar da resposta ser óbvia, vamos apresentar os fatos primeiro e deixar você decidir e chegar à conclusão que melhor atende sua expectativa.

Vamos começar com o ABS. Que tipo de material é esse ABS? ABS é uma sigla: Acrilonitrila Butadieno Estireno, cuja sigla ABS deriva da forma inglesa Acrylonitrile Butadiene Styrene, é um copolímero composto pela combinação de acrilonitrila, butadieno e estireno. Resumindo, é um plástico de alta resistência contra choques, contra as variações de temperatura, pode ter um acabamento bonito e liso e por ser de plástico, ele pode ser injetado. Por ser um material muito versátil, ele acaba sendo usado em várias áreas da indústria e oferece soluções baratas.

Impacto sobre o custo...

Alumínio é um material bem mais caro que um ABS. Além do custo do material mesmo, o corpo dos refletores em alumínio é usinado enquanto o corpo dos refletores em ABS é injetado, reduzindo mais ainda o custo de produção. Então, se o preço é o primeiro critério, um refletor em ABS geralmente sai mais barato.

Faixa de custo de um refletor em ABS: de R$200 até R$500

Faixa de custo de um refletor em alumínio: de R$350 até R$1000+

Impacto sobre o tamanho do refletor...

Os refletores em alumínio geralmente tem um diâmetro frontal menor, entre 6 e 12 cm. Os modelos em ABS tem um diâmetro maior, de 10cm até 27cm. O diâmetro do refletor pode ter um impacto direto sobre o resultado do visual.

Impacto do tipo de acabamento sobre o visual...

Vários clientes escolhem o tipo de acabamento (então o tipo de refletor) em função do acabamento dos outros itens que se encontram na piscina ou ao redor da piscina. Esse critério é uma consideração puramente estética. Exemplo: se os retornos da piscina são em ABS branco, a escada é branca, a grelha (do ralo do fundo) da piscina é branca, tem um jogo de mesa e cadeiras brancas etc... O cliente vai preferir os refletores em ABS branco para combinar melhor com o conjunto. Ao contrário, se o acabamento dos outros itens que compõem o ambiente da piscina é metálico, um refletor em alumínio vai combinar melhor com o restante dos itens.

Sobre a qualidade do refletor ....

O que a gente chama de qualidade? Aqui, vamos definir a qualidade do refletor como a capacidade que ele vai ter a permanecer vedado, e a água não entrar. Obviamente, podemos usar vários outros critérios, mas o que vai impactar mais a satisfação do cliente final é quanto tempo o refletor vai funcionar. Por ser de LED, a durabilidade da iluminação é incontestável. Os LED demoram muito mesmo. O que acaba com um refletor de LED é quando água entra e quando isso acontece, o refletor para de funcionar e não tem conserto. Aqui você vai ter 2 opções: ou seu refletor está na garantia ainda e, nesse caso, basta acionar a garantia do produto. Se a garantia já venceu a única opção vai ser repor e efetuar uma nova compra. Em 99% dos casos, um defeito decorre da perda da vedação. Raramente, um refletor de LED vai parar de funcionar sem água ter entrado. Pode acontecer sim, mas é raro. Então, se o critério para qualidade aqui é sinônimo de vedação boa, os refletores em alumínio vão ter uma melhor vedação. Mais uma observação: talvez o problema da vedação não é localizado apenas no nível da lente frontal mais na parte traseira do refletor, onde o cabo sai do refletor. Esse é uns dos pontos mais críticos do refletor. Por esse motivo, quando você estiver instalando seu refletor, tomar cuidado para não entortar muito a base do cabo. OK?

Sobre a performance do LED mesmo...

Geralmente, um refletor em ABS usa LED de baixa potência, os LED chamados de "chuveirinhos" porque monte de pontinhos aparecem como se fosse um chuveirinho. Agora os refletores em alumínio usam já a tecnologia superled. Eles são mais potentes e conseguem iluminar uma piscina usando um número inferior de refletores. Ou seja, para obter o mesmo efeito, usando um refletor em ABS, talvez serão necessários 6 refletores ao contrário de apenas 3 com um refletor em metal.

Sobre a rejeição térmica...

A sua reação deveria ser a seguinte: "Rejeição térmica? Só queria comprar um refletor, porque preciso entender de engenharia e de termodinâmica quando se trata apenas de um simples refletor de piscina?" e você estaria certíssimo ou certíssima. Essa parte então é para quem gosta dos detalhes, do funcionamento interno dos refletores. Existem pessoas que tem um perfil mais técnico e que vão gostar dessa parte, mas quem não lê isso, não vai ser prejudicado também. Vamos começar então pela noção de condutividade térmica. Ela quantifica a habilidade dos materiais de conduzir energia térmica. Estruturas feitas com materiais de alta condutividade térmica conduzem energia térmica de forma mais rápida e eficiente que estruturas análogas feitas, contudo de materiais com baixa condutividade térmica. Desta maneira, materiais com alta condutividade térmica são utilizados em dissipadores térmicos e materiais de baixa condutividade térmica são utilizados na confecção de objetos que visam prover isolamentos térmicos, a exemplo, em cobertores. A condutividade térmica é uma característica específica de cada material, e depende fortemente tanto da pureza como da própria temperatura na qual esse se encontra (especialmente em baixas temperaturas). Em geral, a condução de energia térmica nos materiais, aumenta à medida que a temperatura aumenta. (Wikipédia).

 

O gráfico acima mostra que os materiais metálicos têm uma condutividade térmica alta, acima de 200W/m.K

enquanto os outros materiais como água, ar ou ABS são péssimos condutores térmicos. A condutividade deles é tão baixa que nem dá para representar no mesmo gráfico. Como relacionar esse fato então com os refletores de piscina? A resposta é fácil, lembrando que os LED são particularmente sensíveis na temperatura e que quando a temperatura ambiente a grande, pior a vida útil do LED. Existe então a necessidade de manter um LED num meio ambiente com temperatura mais baixa. Quando o LED está funcionando, precisa resfriar ele. Um refletor em alumínio geralmente usa super LED, um LED potente, e o corpo do refletor vai conseguir resfriar a rejeição térmica dele justamente porque o corpo é altamente condutor de calor. Agora um refletor ABS usa um LED tipo chuveirinho (de baixa potência) e vai ter pouca rejeição térmica para cuidar. Ainda bem porque o corpo dele não vai deixar trocar as calorias pois o corpo dele pode ser considerado um material isolante.

Conclusões gerais...

Com todas essas informações na mão, conseguiu concluir? Qual é o melhor? Alumínio ou ABS? Vamos destacar aqui os critérios bons de cada tecnologia.

Para vários clientes, ABS é melhor porque:

  • O visual lhe agrada

  • O custo fica mais barato

  • Facilidade de encontrar um modelo para reposição

 

Para outros clientes, um refletor em alumínio é melhor porque:

  • Ele é bem mais potente e menos pontos de iluminação serão necessários

  • A vedação dele ao longo prazo vai ser melhor

  • Por ter um diâmetro menor, ele acaba sendo mais discreto

  • A durabilidade do LED vai ser maior (melhor controle da temperatura de funcionamento)

 

Diferença entre um SuperLed e um LED mais convencional (tipo chuveirinho ou SMD)

Aqui, estamos tocando em um assunto um pouco mais técnico (de novo) e vamos tentar explicar de uma maneira simples. Para simplificar, existem hoje principalmente 3 tipos de LED na indústria:

  1. Led tipo chuveirinho: fácil de identificar e reconhecer pois eles aparecem como monte de pontinhos acesos, igual um chuveirinho. Eles são mais fracos e representam uma tecnologia mais antiga. A potência de um ´´chuveirinho`` vai de menos de 0,05W até 0,5W. Agora a rejeição térmica deles é baixa. Isso é um fato importante que vale a pena se lembrar para entender depois.

  2. O SMD (em Inglês: Support Mount Device). Essa tecnologia é mais avançada e é encontrada em fitas de LED. A potência não é necessariamente mais forte, mas o rendimento é melhor. Alguns fabricantes de lâmpadas ou de refletor de piscina usam essa tecnologia nos produtos dele.

  3. O SuperLed. Ao invés de ter vários pequenos LEDs independentes, o SuperLed é um LED só, bem mais potente. Falamos de SuperLed a partir de uma potência de 1W. Existem SuperLeds hoje que alcançam 50W, ou até mais. Tipicamente, os SuperLeds usados para refletores de piscina variam de 3W a 25W.

 

Um super Led tem um resultado melhor que um LED tipo chuveirinho porque ele é bem mais potente. O resultado na piscina é gritante, a claridade é melhor, mas ... a rejeição térmica dele, mais uma vez, é maior. Porque esse aspecto é importante então? Porque o LED é igual o motor do seu carro, ele precisa ser resfriado para ter um bom funcionamento e aumentar a vida útil dele. Vamos trabalhar nessa analogia. Se faltar água no radiador do seu carro, a temperatura do motor vai aumentar e com o decorrer do tempo, podem aparecer problemas ou até queimar o motor. Para um LED potente, a problema é o mesmo. A água da piscina é o líquido que vai ajudar resfriar seu LED. Obviamente estamos falando de uma quantidade de calor pequena, mas, mesmo sendo pequena, esse calor deve ser rejeitado, eliminado. Para você ter uma noção do aumento local da temperatura de um LED, quando você liga ele, localmente, a temperatura pode aumentar em 1 segundo de 20 até 150C. Localmente, vai existir um ponto muito quente e esse ponto deve ser resfriado. Esse aumento de temperatura acontece na parte traseira do refletor, não na frente onde o LED está localizado. Um refletor de LED é igual uma lâmpada de LED, a parte que esquenta é a parte traseira da lâmpada. A partir dessas observações podemos já tirar algumas conclusões:

  1. É melhor procurar não ligar os refletores quando a sua piscina estiver vazia. Pode até ligar por alguns segundos, para conferir se as ligações foram bem-feitas, mas nada de deixar as luzes acesas durante uma hora. Isso vai prejudicar muito os LED.

  2. Para conseguir eliminar o calor do super LED, um material condutor é melhor que um material do tipo ABS. A condutividade térmica de um refletor em metal é em torno de 1000 vezes maior que a condutividade térmica de um ABS. Consequentemente, vamos recomendar você fugir desses refletores em ABS que usam um super LED.

  3. Algumas pessoas têm um instinto errado e tentam vedar a borda do refletor com silicone para impedir água entrar atrás do refletor. Isso é errado. Água deve entrar porque novamente, a função da água é justamente resfriar a rejeição térmica do LED e a parte do LED que esquenta mais é justamente a parte traseira.

 

Se você pesquisar refletores de LED no mercado, a tendência vai ser a seguinte: os refletores metálicos usam super LED quando os refletores ABS usam chuveirinhos ou até SMD.

A minha piscina está em construção, que preciso saber já para iluminá-la depois?

Se você está construindo a sua piscina agora, e que você está lendo isso, você está sossegado! O problema são as pessoas que começam se questionar uma vez a piscina já está pronta. A sua piscina, igual a sua casa, precisa de um projeto, nada complicado, mas você precisa decidir já quantos pontos de luz você vai querer, em qual parede você vai querer instalar os refletores, se você quer um sistema monocromático ou um sistema RGB (com mudança de cores) etc... Se você quer fazer a coisa direitinho, o ideal seria de entrar em contato com a nossa loja e deixar a gente projetar isso junto com você. Se você já quer tomar a iniciativa de preparar a instalação sozinho ou sozinha, segue algumas dicas que serão melhores do que não deixar nada preparado:

  • Para cada ponto de iluminação, instalar 1 tubo de 1 polegada e meia a 60 cm em baixo da borda da piscina. Não precisa ser mais profundo que isso. Deixar os tubos ultrapassar a parede de 5 até 10 cm (isso vai facilitar a parte acabamento do revestimento no redor do ponto)

  • Usar tubos em PVC marrom, de preferência da marca Amanco.

  • Para cada refletor, deixar uma caixa de passagem chumbada na beira da piscina, a 40 cm da borda.

  • Para um dimensionamento muito aproximado, prever 1 ponto de iluminação para cada 12 ou 15 m2.

  • Interligar as caixas de passagem com um flexível de ¾ polegada.

  • Procurar puxar a força de um quadro de força onde a bomba de água não está ligada, ou seja, procurar não instalar o transformador e o controlador dos refletores dentro da casa das máquinas.

  • Prever a instalação de um DR (Disjuntor Residual) no quadro de força.

 

Essas dicas vão ajudar você tomar algumas providências já, mas não serão suficientes. Cada casa é diferente, cada piscina é diferente, cada cliente tem uma expectativa diferente, cada projeto tem desafios específicos. Novamente, para mais detalhes, não hesite, entre em contato com a nossa loja.

Posso instalar os refletores numa piscina cheia ou preciso esvaziar ela antes da instalação?

Aqui tem uma boa notícia para você: não precisa esvaziar a piscina para instalar os refletores. Todos esses refletores tem uma proteção IP68 (ver a parte glossário técnico do nosso site para entender essa noção de IP) quer dizer que eles são a prova de água em situação de imersão total. Porém... você deve tomar cuidado com a ponta solta do cabo. Se por um lado o refletor é 100% vedado, não é o caso da ponta solta do cabo do refletor. Na hora da instalação, você vai ver que vai precisar mergulhar o conjunto, ou seja o refletor com o cabo (obviamente), e a única parte desse conjunto que não é vedado é a ponta. Para não entrar água na ponta você vai precisar vedar essa ponta com silicone ou fita isolante e passar o cabo. Uma vez o cabo passado, usar um pano seco para secar o cabo e em seguida, cortar os primeiros 10 ou 20 cm do cabo. Dessa maneira, mesmo se um pouco de água entrar, ela vai sair junto com o pedaço cortado.

Diferença entre uma piscina de vinil, de alvenaria e de fibra: para que serve um dispositivo de aspiração?

A palavra chave aqui é "vedação" do ponto de luz. Vamos então explicar primeiro a diferença conceitual entre uma piscina de alvenaria de um lado e de vinil (e fibra) do outro lado. Entender as diferenças entre elas vai ajudar você entender porque precisamos usar, em alguns casos (vinil e fibra), um dispositivo de aspiração.

O caso mais simples é uma piscina de alvenaria. Tal piscina não precisa de dispositivo de aspiração porque por definição, ela já é vedada. O próprio concreto foi impermeabilizado e depois revestido com azulejos ou com pastilha. A vedação ocorre no próprio concreto.

Agora numa piscina de vinil, o concreto não vai ser impermeabilizado. O que vai fazer a vedação é o próprio bolsão de vinil. Mas para instalar o refletor, esse bolsão de vinil vai ter que ser recortado, justamente para deixar a instalação do refletor ser feita. O furo que vai ser feito no vinil é o problema e a questão é: como vedar sua piscina já que o concreto não vai ser impermeabilizado? A resposta é: vamos usar um dispositivo de aspiração específico para piscina de vinil. Esse dispositivo serve justamente para vedar a sua piscina entre o vinil de um lado e o concreto (não impermeabilizado) do outro lado. Uma vez esse dispositivo instalado, o refletor vai se encaixar diretamente no próprio dispositivo.

Para uma piscina de fibra, na maioria das vezes, a instalação é feita diretamente no chão ou na terra (ver imagem abaixo como exemplo). Essa instalação pode ser feita no concreto, mas isso encarece. O bom da fibra é justamente o custo baixo da instalação e da manutenção.

 

 

Para instalar um refletor, é fácil entender que vamos ter que fazer um furo na fibra. A pergunta novamente é: como garantir a vedação entre a fibra de um lado, e a terra do outro lado? A resposta é a mesma que no caso anterior do vinil. Vamos ter que usar um dispositivo de aspiração para garantir a vedação exatamente no ponto do refletor. É esse dispositivo que vai "fechar" o vão entre o refletor e a fibra e impedir a água de entrar entre a fibra e a terra.

 

 

Qual é a influência do ângulo de facho sobre a iluminação?

Essa parte é relativamente fácil de explicar e de imaginar. Um ângulo fechado teria um ângulo de aproximadamente 90°, um ângulo aberto vai ter em volta de 140° (apesar de alguns fabricantes alegarem até 160°). Se você olhar o facho de um refletor aceso a noite, você vai perceber que ele tem um facho muito intenso no meio, e que conforme você afasta seu olho do meio do facho, a intensidade da luz diminui. Isso é verdade com qualquer refletor. A luz tem uma tendência a ser muito concentrada no meio e diminuir conforme você alcança a borda do facho.

Dependendo do efeito procurado (iluminar uma escada ou balizar essa escada, dar um efeito de luz diferente, iluminar uma prainha, iluminar uma lagoa ou um espelho de água, iluminar a parte principal e funda de uma piscina, iluminar uma fonte de água com jatos verticais, iluminar uma jacuzzi, uma cascata etc.). Você vai ter que escolher a tecnologia certa para aquela situação. A parte a seguir trata apenas da iluminação da parte principal funda da piscina. Idealmente, quanto maior o ângulo de facho, melhor a iluminação pois o facho de luz vai ser mais aberto, vai cobrir uma área maior e a intensidade da luz vai ser espalhada de maneira mais homogênea. Isso seria o caso ideal. A maioria dos refletores de piscina usa um ângulo de facho de 90°. Com tal ângulo, o resultado é sempre o mesmo: existe no meio do refletor um facho com uma iluminação intensa, e conforme seu olho se afasta dessa parte central, a intensidade da luz vai diminuindo. Isso não é feio, mas na nossa opinião não é ideal também. Para qualquer cliente, esse aspecto, não vai incomodar mas para alguns arquitetos ou arquitetas, esse detalhe pode fazer uma grande diferença na hora de implementar o projeto dele ou dela.

A Reichenbach, um dos fabricantes mais conceituados do mercado, tem um refletor com um ângulo de facho muito aberto (até 140G-160G). O resultado é um espetáculo pois parece que o ponto de luz brilhoso do refletor consegue alcançar qualquer lugar da piscina. Mas novamente, para a maioria dos casos, o cliente não vai se importar muito com o ângulo de facho.

Um refletor respeita a potência e o consumo anunciado?

Não. Ou melhor, não sempre seria uma resposta mais justa. Infelizmente, se seu critério para escolher um refletor é a potência, saiba que a potência (o consumo anunciado) não é sempre exata. É extremamente comum um fabricante anunciar uma potência maior porque comercialmente, fica mais fácil vender. Por exemplo, um refletor pode ser anunciado como um refletor que tem 8W e ter um consumo real de apenas 6W ou seja, um pouco menos. Por ser varejistas e por ter testados vários refletores, sabemos que são poucos refletores e fabricantes que respeitam a potência anunciada. Isso é grave? Não é. É apenas um detalhe que não vai mudar nada para você.

Qual é a profundidade ideal para instalação do refletor?

60 cm em baixo da borda da piscina, ou seja, 50 cm em baixo do nível da água. Obviamente, essa regra não se aplica na parte da prainha (quando tem uma prainha) pois nessa parte da piscina, tem apenas 30 cm de água. Mas para a parte mais funda da piscina, 60cm em baixo da borda é um excelente ponto.

Iluminação meramente decorativa ou iluminação intensa. Qual é a sua expectativa?

Isso é um aspecto muito importante pois se trata da sua expectativa. E por ser uma consideração que depende da expectativa do cliente, esse aspecto tem uma dimensão subjetiva. Se cada cliente pode ter uma avaliação diferente de um resultado, podemos simplificar essa questão em 2 situações distintas que cobrem 99% dos clientes:

  1. Expectativa de uma iluminação decorativa: A pessoa quer dar vida e charme a piscina dele ou dela a noite. Sendo a ideia aproveitar uma bela taça de vinho ou uma cerveja bem geladinha, conversando com uns amigos, perto de uma piscina destacada com um sistema de jogo de luz decorativa. O cliente não vai necessariamente usar a piscina a noite, mas se quiser dar um destaque charmoso nela. Isso é a primeira expectativa.

  2. A segunda expectativa é maior, o cliente quer aproveitar mesmo da piscina a noite, tem crianças e quer providenciar um conforto luminotécnico de uso como se fosse durante o dia quase. Ou, simplesmente quer impressionar os vizinhos e quer ter uma iluminação espetacular para destacar muito a piscina nos dias de festas.

 

A diferença entre essas 2 expectativas é simples: no segundo caso, você vai precisar de mais pontos de luz, com potência maior e vai custar mais. Porém, podemos imaginar que existe uma terceira categoria de cliente: ele/ela quer uma solução meio termo. Ele quer uma iluminação decorativa, mas ao mesmo tempo, que deixa usar a piscina a noite com uma bela margem de conforto. Então será que temos 3 categorias com 3 faixas de expectativas? A resposta é não, essa terceira categoria de clientes (ou de expectativas), sem saber, já pertence na segunda categoria.

Vamos fazer aqui mais um comentário que achamos relevante sobre segurança. Para famílias com crianças, é importante entender que quanto mais luz, melhor e mais seguro. Para crianças de 3 até 14 anos, é muito importante para elas enxergar direitinho as bordas da piscina, o fundo da piscina e conseguir se localizar perfeitamente em

relação a todos os limites da piscina. Também, para os pais que ficam fora da piscina, de olhos neles, é importante para eles enxergar perfeitamente os filhos. Uma iluminação forte então proporciona exatamente isso: mais segurança para seus filhos em particular e para todo mundo em geral.

Qual é o impacto da cor do revestimento da piscina sobre o resultado final?

Várias pessoas pensam que o resultado final da iluminação da piscina vai depender apenas do número de pontos de luz e da potência de cada refletor. Existe mais um fator que vai influenciar muito o resultado: a cor do revestimento da piscina. Uma cor clara vai refletir mais a luz que uma cor escura, ou seja quanto mais clara a cor do revestimento, mais fácil iluminar a piscina. Agora uma piscina com um revestimento bem escuro, tipo azul ou verde escuro, não vai refletir a luz bem e consequentemente, o resultado final vai dar a impressão de uma iluminação mal dimensionada. Aqui, não tem segredo, se a cor do revestimento é bem escura mesmo, obter uma boa iluminação vai necessitar de mais pontos e vai custar mais. A maioria das piscinas são claras ou até meio termo, tipo azul médio. Pode considerar um azul meio termo uma cor clara ainda. Mas para essas cores bem escuras mesmo, se prepara, o resultado talvez não vai alcançar a sua expectativa e você vai ter que aceitar usar refletores mais potentes ou projetar mais pontos.

Podemos usar um sistema RGB para uma piscina escura mesmo?

Tecnicamente sim, mas não é recomendado. Conforme acabamos de comentar, um revestimento escuro não reflete bem a luz. Uma iluminação RGB é uma iluminação que pode passar por todas as tonalidades e todas as cores da luz. Quando a luz é branca, sem problema, mas quando a luz vira para um vermelho, um roxo ou um verde mais escuro, a "sutilidade" da luz é perdida no reflexo da parede, ou seja, as paredes não vão reproduzir bem as cores e seu sistema RGB não vai ter o efeito show de bola que você pode pensar. Nada impede você de usar um sistema RGB com uma piscina escura mas vamos recomendar usar uma luz monocromática branca para obter um resultado mais satisfatório.

Onde instalar o controlador (ou a fonte)?

Onde você quiser mas procure não instalar ele na casa das máquinas. Apesar que a maioria das pessoas acabam instalando o controlador e a fonte (driver) na casa das máquinas, esse tipo de instalação deveria ser evitado. Existem vários motivos para isso:

  • A casa das máquinas é um lugar úmido, suado, onde pode haver condensação de água, respingando acima dos aparelhos e danificando os mesmos. Geralmente, o driver (o transformador 12V) e o controlador (para sistema RGB) não são a prova de água (proteção IP20) e a umidade acaba prejudicando muito esses equipamentos.

  • Que fosse a fonte ou o controlador, ambos precisam de uma ventilação natural para resfriar os componentes. Raramente a casa das máquinas oferece uma ventilação adequada.

  • Algumas casas das máquinas ficam abaixo do nível da água. Quando é o caso, o próprio cabo dos refletores pode levar água diretamente para os refletores e consequentemente, queimar os equipamentos.

  • Quando os refletores são RGB, o controlador vai ter um controle remoto justamente para controlar as cores dos refletores. Se o controlador fica dentro da casa das máquinas, pode reduzir o alcance do controle remoto, particularmente quando existe uma tampa ou uma porta metálica para fechar a casa.

  • Uma vez na casa das máquinas, o instalador não vai ter outra opção de ligar o transformador no quadro de força onde a bomba d’água está ligada. Cada vez que a bomba for ligada, vai ter um "pico" de tensão no quadro de força. Com o decorrer do tempo, esses picos acabam reduzindo a vida útil da fonte (transformador).

 

Então, uma instalação padrão deveria seguir essas regras simples:

  • Procurar um lugar 100% seco e 100% protegido da chuva.

  • Procurar um lugar arejado, evitar colocar o conjunto (transformador + controlador) dentro de uma caixa fechada.

  • Instalar o conjunto acima do nível d’água e fora do alcance de uma criança

  • Puxar a força de um quadro diferente do quadro onde a bomba d’água está ligada

 

A grande maioria dos fabricantes oferecem apenas 6 meses de garantia para a fonte e o controlador porque eles sabem que a maioria das pessoas vai fazer uma instalação inadequada.

O que é um sistema RGB e quais são as vantagens de uma iluminação RGB?

RGB é uma sigla do Inglês: Red Green Blue (em português: vermelho, verde e Azul). Essas 3 cores são chamadas de cores primárias porque qualquer cor do espectro da luz pode ser obtida com uma mistura dessas 3 cores. A cor roxa por exemplo é uma mistura da cor vermelha e azul etc... A cor branca é a mistura das 3 cores primárias, ou seja, misturando o vermelho com o verde com o azul, o resultado vai ser.… branco!

O custo de um refletor RGB é praticamente o mesmo que um refletor monocromático. A diferença do RGB é que no caso do RGB, você vai ter o custo do controlador que não é necessário no caso de um refletor monocromático.

A grande vantagem do RGB é que você pode mudar a cor da luz. Então além de qualquer cor monocromática, você vai ter a opção de todas as outras cores. Vamos dizer que você sempre deixa seu refletor RGB na cor branca, um dia de festa, você vai ter a opção do mudar a cor para azul, ou verde, ou rosa ou qualquer outra cor você vai achar adequada para aquela festa. Inclusive, você vai ter a opção de deixar os refletores (através do controlador) mudar de cores sozinhos e com a frequência que você quer. A festa acabou? Chega de refletor que muda de cor? Basta reprogramar o controlador para voltar na cor branca. Então o diferencial do RGB é a flexibilidade de mudança de cor em função do tema do dia.

Quanto a mais custa? Apenas o custo de um controlador. Vamos tomar um exemplo muito geral. Vamos comparar o custo da iluminação monocromática com o custo de um sistema RGB com 4 pontos:

Solução RGB:

04 x refletores RGB de R$500 cada um (*)

01 x KIT controlador de R$450 (*)

04 x caixas de passagem R$120

Total: R$2570

Solução monocromática

04 x refletores monocromáticos de R$500 cada um (*)

01 x fonte de R$100 (*)

04 x caixas de passagem R$120

Total: R$2220

RGB acaba sendo mais caro sim, mas um pouco mais caro só. Na nossa opinião, vale a pena.

(*) preços meramente ilustrativos, existem refletores e controladores mais caros ou mais baratos.

Porque os LED ganham de 10 a 0 de uma iluminação halógena convencional

O grande desafio de um refletor de piscina é a vedação. Ele vai ficar em situação de imersão total e a vedação do refletor é a coisa que encarece a fabricação dele. O sistema de luz mesmo tem um custo sim, mas não vai ter uma grande diferença de custo entre o próprio LED e uma lâmpada convencional. Ao final das contas, um refletor de LED acaba custando o mesmo preço de um refletor convencional usando uma lâmpada halógena. Para quem já usou uma iluminação convencional, usando uma lâmpada dicroica halógena, já percebeu que ela queimava toda hora? Isso é fato. Todos os clientes que tinham uma iluminação baseada em uma lâmpada dicroica halógena reclamaram que o sistema estava sempre dando pau, gerando uma frustação grande para o cliente final. Porém, um refletor de LED tem um consumo de 5 até 10 vezes menor e uma durabilidade bem maior. Se um refletor de LED acaba custando o mesmo preço que um refletor usando uma lâmpada halógena ou de diodo, e que ao mesmo tempo ele tem um consumo bem menor e uma durabilidade bem maior, existe um motivo para comprar um refletor convencional? Nenhum! Em breve, acreditamos que esses refletores convencionais vão sair do mercado de vez. Aos poucos e com o decorrer do tempo, os LED vão dominar o mercado de iluminação de piscina.

Para que servem as caixas de passagem?

A caixa de passagem tem duas funções:

  • Facilitar a instalação

  • Facilitar a manutenção

 

Sobre a instalação...

Geralmente, o cabo do refletor tem um comprimento padrão de 2 metros, até alguns fornecedores vendem ele com um cabo de 1,5 m. Esse comprimento é mais que suficiente para alcançar a borda da piscina. Mas 2 metros raramente vão alcançar o lugar onde a fonte e o controlador (no caso de RGB) serão instalados. Para levar o sinal até a fonte, o cabo do refletor vai precisar ser ligado num outro cabo com bitola maior, que vai interligar todos os refletores entre eles. Essa ligação não deveria ser feita em baixo da água. Por esse motivo, o que a nossa loja recomenda, junto com a maioria dos fabricantes, é usar uma caixa de passagem na borda da piscina para justamente fazer essa ligação com o cabo geral.

Sobre a manutenção...

Vamos imaginar que um dia um refletor queime, ou que a ligação dele tem um mal contato, ou que por qualquer outro motivo você precise trocar de refletor ou decide mudar a iluminação da sua piscina com refletores mais potentes. Nesse caso, basta abrir as caixas de passagem, desligar cada refletor um por um e troca-los. Assunto resolvido e encerrado. Nesse caso, o fato que você vai ter caixas de passagem já instaladas vai facilitar muito a sua vida.

IMPORTANTE: Procurar usar tantas caixas de passagem quantos forem os refletores. Se você vai usar 5 refletores na sua piscina, use 5 caixas de passagem. Cada refletor deveria ter a caixa de passagem dele.

Como seria uma instalação sem as caixas de passagem? Seria possível?

Resposta: sim, seria tecnicamente possível mesmo, mas bem mais difícil, complicado e cheio de más notícias para o futuro. A Clickleds vai orientar você a fugir de tal instalação. Agora pode existir (e existem mesmo) casos extremamente particulares que não há outras alternativas, mas em geral, sempre tem como usar as caixas de passagem. Vamos imaginar tal instalação (sem caixa de passagem) e ver os lados ruins.

Primeiramente, o cabo do refletor vai ter que alcançar o transformador (lembrando que todos os refletores de piscina são na voltagem 12V e precisam de um driver) e que o tamanho padrão do cabo do refletor é apenas de 2 metros. Na grande maioria dos casos, 2 metros não vão ser suficientes para alcançar tal distância (distância entre o refletor e o controlador ou a fonte). Isso quer dizer que você vai ter que comprar (sobre encomenda) refletores com cabo maiores. Alguns fabricantes oferecem refletores já com cabo maior (até 15 metros) que em alguns casos pode resolver o problema ligado na distância. Mas saiba já que esses refletores são bem mais caros e o comprimento geral do cabo acaba aumentando muito o custo do refletor (em alguns casos, pode até dobrar o custo do refletor).

Segundo, vamos supor que a distância é bem superior aos 15 metros que você vai encontrar, nesse caso você vai ter que emendar o cabo. O cabo do refletor vai passar dentro de um tipo de conduíte que vai ser cheio de água e que por esse motivo, a emenda deve ser uma emenda com fita de autofusão para garantir ambos uma boa emenda e uma boa vedação. Os fabricantes geralmente alegam que na hora que você efetua uma emenda de alta fusão, você perderá a garantia do produto.

Terceiro, vamos supor que você conseguiu fazer essa instalação com cabo maior de por exemplo 15 metros. Agora, alguns meses depois ou até 2 anos depois, acontece um problema com um refletor e o mesmo deverá ser trocado. Você vai ter que trocar o refletor junto com os 15 metros de cabo. Não daria para trocar apenas o refletor pois você não vai ter acesso na parte da emenda dentro do tubo. Agora o problema é o seguinte: faz 2 anos (ou mais) que esse cabo está dentro do conduite, provavelmente ele já está quase grudado no conduíte e retirar ele vai ser desafiador. Pior, uma vez o cabo de 15 metros retirado, você vai ter que passar um novo cabo. Será que vai ser fácil? Será que o conduíte ou encanamento que você deixou não tem muitas curvas, não tem cotovelos, que o condutor ou o encanamento vai colaborar com você?

A nossa loja tem 5 anos de mercado vendendo refletores e auxiliando nossos clientes com instalação de refletores de piscina. 100% dos clientes que tinham uma instalação sem caixas de passagem estavam sofrendo muito com isso. Todos estavam arrependidos de ter seguido a orientação do eletricista ou mestre de obras deles.

Onde instalar os refletores, em qual parede da piscina?

Mesmo sendo um detalhe, esse pequeno detalhe pode fazer uma bela diferença no resultado final. Vamos começar com os casos mais óbvios. Existem piscinas onde você não vai ter opção e a parede que vai receber os refletores já é determinada por considerações puramente práticas. Vamos começar então com esses casos. Alguns exemplos:

  • Piscinas com borda infinita. Nesse caso, a parede que tem a borda infinita não vai ser uma opção pois não vai ter um lugar prático para instalar a caixa de passagem.

  • Paredes que são muito encostadas numa das paredes do quintal. Por falta de espaço, não vai conseguir novamente encontrar um lugar adequado para a caixa de passagem.

  • Piscinas antigas que já tem uma instalação. Nesse caso, a maioria dos clientes vão se recusar mudar a localização dos pontos de luz já existentes porque eles não vão querer quebrar ou refazer uma coisa nova. Esses clientes, além da preocupação do custo, não vão querer ter os gastos e dor de cabeça ligados a uma nova reforma (custo de trocar a água pois vai ter que esvaziar a piscina, custo do pedreiro, medo de mexer e perder a vedação da piscina etc.)

  • Quando a parede é a divisa com uma outra piscina, ou seja, uma das paredes pertence a duas piscinas, uma encostada na outra. Novamente, a largura da parede existente vai dificultar a instalação da caixa de passagem.

  • Existem, provavelmente, outros casos, mas esses são os mais comuns.

 

Agora, vamos supor que todas as paredes da piscina podem receber as caixas de passagem e qual não vai ter nenhuma limitação prática. Nesses casos, a regra é simples e é a seguinte: procurar instalar os refletores de tal maneira que seus olhos não enxerguem os pontos de luz. A ideia é evitar um efeito de ofuscamento. O mais chique e o mais bonito é ver o efeito da iluminação dos refletores, sem ver os próprios refletores. Uma vez na piscina, a parede que foi usada para instalar os refletores não tem mais importância. Essa consideração então se limita a quando você está fora da sua piscina e olhando para ela. Para entender melhor, vamos ajudar você visualizar o conceito com umas fotos.

 

 
 

Existe um risco de levar choque com um refletor LED? Para que serve um DR?

Nenhum. Todos os refletores de LED para piscina vendidos no Brasil são na baixa voltagem 12V e 12V não mata ninguém. Mesmo assim, se por acaso alguém oferecer um refletor para piscina em 110V ou 220V, se recuse comprar porque isso não seria nem um pouco seguro.

Vamos aproveitar para fazer a mesma recomendação que a maioria dos fabricantes de refletor de piscina: é recomendado instalar um DR no quadro de força (DR = Disjuntor Residual). O dispositivo DR é um dispositivo que detecta fugas de corrente quando existe um vazamento de energia dos condutores. Ele desarma os disjuntores onde está o problema, de forma a evitar que alguém se acidente.

Também conhecido como Diferencial Residual, por isso a sigla DR, ele protege pessoas e também animais contra possíveis choques elétricos, tanto por meio de contato direto ou indireto de uma fuga de corrente. Assim que ele percebe a fuga da corrente em uma instalação, desliga imediatamente o circuito.

Em alguns casos, inclusive para piscinas, o uso de um DR é OBRIGATÓRIO.

Por tratar-se da sua segurança, vamos recomendar conferir as normas vigentes e respeitar essas normas ao pé da letra.

Porque os fabricantes só oferecem controladores com 6 meses de garantia

Ver a parte chamada "Onde instalar o controlador (ou a fonte)?"

Reposição de uma iluminação antiga: trocar halógena por LED. É fácil?

Se por um lado é sempre possível, infelizmente não é sempre fácil. Vamos começar pelo primeiro fato, pela primeira dificuldade: provavelmente a sua instalação antiga tem nichos, ou seja, um alojamento onde você tem que encaixar o refletor. O mais difícil vai ter que lidar com esse nicho. Hoje em dia, não se usa mais nichos, os refletores de LED têm um corpo mais fino e podem ser encaixados diretamente num tubo de 1 polegada e meia, sem usar nicho.

A primeira opção está ligada ao fato que você já tem um nicho instalado. Esse nicho antigo vai obrigar você encontrar um refletor compatível com esse nicho. Rapidamente você vai perceber que encontrar um refletor vai ser difícil porque primeiramente você vai ter que identificar o fabricante do seu refletor e ver se esse fabricante produz hoje um refletor que vai se encaixar no seu nicho antigo. Em alguns casos, você vai ter sorte porque a marca do seu refletor antigo é uma marca bem estabelecida. O fabricante com certeza terá um modelo compatível. Infelizmente, para a maioria de vocês, essa procura não vai levar você para lugar nenhum e você vai acabar muito frustrado ou frustrada com sua pesquisa.

A segunda opção (a mais comum) vai ser de deixar o nicho instalado e usar um novo refletor, que pode ser até de uma marca diferente, em conjunto com um adaptador. Essa opção é a mais comum, a mais fácil e a mais escolhida pelos nossos clientes. Essa opção acaba sendo a opção mais custo benefício, sem perder tempo tentando procurar o refletor que cabe perfeitamente no nicho antigo, sem tomar a grande decisão de quebrar tudo. O fabricante que entendeu melhor esse mercado de reposição é a Sodramar (e não, para escrever isso, a Sodramar não pagou nada para a nossa loja e não estamos patrocinando a Sodramar. Porém se alguém da Sodramar acabar lendo isso e quiser fazer uma doação, seja bem-vindo). Sodramar tem alguns refletores que, usados em conjunto com garras de adaptação, pode praticamente atender qualquer nicho antigo do mercado.

A terceira opção é a mais radical: quebrar, retirar os nichos antigos e refazer uma instalação 100% nova sem nichos. Idealmente, isso seria a melhor opção. Claro que essa opção vai ter alguns custos relacionados na reforma, vai dar umas dores de cabeça, mas a longo prazo, vai ser a melhor opção. A maioria dos nossos clientes se negam fazer isso e preferem a segunda opção: a escolhe de um refletor com um adaptador.

Antes de concluir essa seção, existe mais uma consideração que você precisa saber. A corrente usada no seu sistema antigo era 12VDC? E seu sistema antigo era RGB ou não? Refletores de piscina usam normalmente uma corrente em 12VDC para reflectores de LED e 12VAC para iluminação usando lâmpadas dicroicas halógenas. Então, de qualquer forma, você já tem um transformador, ou fonte, ou driver já instalado. Se esse transformador é em 12VAC, vai ser melhor trocar ele pois os novos refletores de LED usam 12VDC. Mas isso é o de menos pois uma nova fonte é barata e fácil de trocar. Depois, se a iluminação da sua piscina era monocromática e que você quer usar um sistema LED RGB, agora complica um pouco mais. A fiação usada para uma lâmpada monocromática tem apenas 2 fios. Para usar um sistema RGB com controlador, você vai precisar usar um cabo com 4 fios, ou seja, a fiação que você já tem passada na sua instalação vai ter que ser trocada. Existe no marcado alguns modelos de refletores de LED RGB que não precisam de controlador. Nesse caso, uma fiação dupla é suficiente e você poderá aproveitar da sua instalação e da sua fiação com apenas 2 fios.

Quais são os padrões de diâmetro de tubo para uma instalação nova?

Hoje em dia, você vai encontrar várias opções de diâmetro para instalação de refletores. Em polegadas, essas dimensões padrões são:

½

 
 

¾

1

1 ½

2

 

Mas existe uma dimensão que aos poucos está sendo definida com a dimensão padrão no Brasil: 1 ½ (em polegada). Praticamente todos os fabricantes tem um modelo de refletor em LED que vai se adaptar num tubo de uma polegada e meia. Melhor ainda, essa medida é tão padrão que alguns fabricantes que tem modelos para se encaixar em tubos menor desenvolveram um adaptador para justamente se adaptar no novo diâmetro padrão.

Resumindo, você está construindo uma piscina nova e não sabe qual diâmetro usar? Usa tubos de 1 ½ isso vai ajudar você abrir o leque das suas opções.

Importância de escolher uma marca bem estabelecida

Existe hoje no marcado pelo menos 30 marcas e fabricantes diferentes de refletores de piscina. Esse mercado é tão ´´aquecido`` tão competitivo e tão dinâmico que novos fabricantes aparecem no mercado todos os meses, ao mesmo tempo que outros fabricantes somem. Na nossa opinião, é importante escolher um fabricante com bastante tempo de mercado pelos seguintes motivos:

  • Qualidade do produto.

  • Respeito aos retornos de garantia.

  • Experiência no mercado com um bom conhecimento do ramo e das normas vigentes.

  • Continuidade da linha de produto.

 

Se todos esses critérios são importantes, o último é o critério que deveria chamar mais a sua atenção: a continuidade da linha de produto. E para explicar melhor a importância desse último critério, vamos usar um exemplo extremamente comum e típico...

Faz 4 anos, o João B. comprou 3 refletores de piscina LED de uma marca desconhecida. A marca é tão desconhecida que a própria marca não aparece nos refletores. Essa marca é: Marca X. Os refletores deles não estão funcionando mais e João quer consertá-los mas descobre que esses refletores não têm conserto. Tudo bem, João decide comprar novos refletores e está disposto a gastar novamente com um produto novo. Infelizmente, o fabricante dessa Marca X não existe mais no mercado, o fabricante simplesmente sumiu. Tudo bem, João está disposto a escolher refletores de uma outra marca. Infelizmente, mais uma vez, os refletores da Marca X usavam um nicho de um certo tamanho e nenhum dos novos modelos de refletor hoje se encaixam no nicho antigo. Para piorar a situação dele, ele descobre que o sistema Marca X usava um sistema em 24V, não 12V e que além de trocar os refletores, ele vai ter que trocar a fonte (transformador) também. E agora?

Esse exemplo novamente é uma situação que milhares de clientes terão que enfrentar um dia. Por quê? Porque os refletores que eles escolheram eram de uma marca não bem estabelecida. A tendência hoje é a convergência em direção de uma padronização dos produtos, dos meios de instalação, da voltagem: uso de caixas de passagem, uso de sistema 12V, instalação em tubo de 1 polegada e meia sem nicho etc... Um fabricante bem estabelecido pode descontinuar a produção de uma linha de produto, mas a nova linha de produto dele será compatível com a linha antiga e permitirá a reposição.

Qual bitola usar para o cabo que alimenta e interliga os refletores entre eles?

Isso não é o resultado de um estudo formal, mas apenas algumas dicas básicas para ajudar você. Podemos garantir que o seguinte dimensionamento vai dar certo, porém não podemos garantir que ele será o melhor custo benefício. Por outro lado, na maioria das instalações vão precisar de pouco cabo então não vai perder muito dinheiro. Vamos lá...

  • Potência de até 40W até uma distância de até 15 metros, pode usar uma bitola de 1,5 mm

  • Potência de até 140W até uma distância de até 30 metros, pode usar uma bitola de 2,5 mm

  • Potência de até 250W até uma distância de 40 metros, pode usar uma bitola de 4,0 mm

 

Além dessas potências e dessa distância de 40 metros, precisaria fazer um estudo mais fino. O problema não vai ser a potência que a bitola vai aceitar, o problema é que conforme a distância aumenta, a voltagem diminua. Para limitar essa perda de tensão, teria que aumentar a voltagem (de 12V para 14V por exemplo) e aumentar a bitola (de 2,5 mm para 4,00 mm). Mas novamente, se você está numa dessa situação, claramente a sua instalação está fugindo dos padrões e uma análise mais fina seria necessária.

A minha piscina tem nada previsto para iluminar e não quero quebrar nada. Tem uma solução fácil?

Brincadeira né? Você não previu nada e não quer quebrar nada e ainda quer uma iluminação? Por mais inacreditável que parece, existe uma solução para você sim. Essa solução não é ideal em termo de efeito luminotécnico, mas vai destacar as bordas da piscina e iluminar um pouco as partes profundas. Essa solução é o uso de fita de LED. Caso a borda da sua piscina passa um pouco para cima da água, tipo um beiral, você pode instalar uma fita de LED embaixo desse beiral (ver desenho). Essa solução é relativamente fácil, porém ela vai necessitar algumas adaptações e seguir algumas regras básicas. Encontramos no Youtube, o vídeo de um cara que foi muito criativo e que usou um outro sistema (com um perfil de alumínio). Ver a vídeo dele no Youtube (https://www.youtube.com/watch?v=-bhRZ_DPCn0)

Primeiramente, fitas não podem ser emendadas, ou seja, a corrente que vai alimentar a primeira fita não pode alimentar a segunda fita. Cada fita deve ser instalada em paralelo (igual os refletores de piscina) não em série. Cada fita é vendida em rolo de 5 metros, para dar a volta na sua piscina toda, você vai precisar de pelo menos 20 metros, e obviamente até bem mais caso a sua piscina for maior. Então você vai precisar de 4 ou 5 ou bem mais rolos para fazer a volta toda. Segundo, fitas de LED, pelo menos as fitas que a Clickleds vai recomendar, são na voltagem 12V (por motivo obvio de segurança), então você vai precisar de um driver (um transformador em 12VDC). Depois você vai ter que imaginar uma maneira de puxar um fio da fonte (em 12V) para correr junto com as fitas. Então não vai ter como fugir de pelo menos um furinho no chão para passar esse fio. Outra coisa, por ser quase em baixo da água, essas fitas precisaram ter uma proteção IP67 ou até IP68 (ver o nosso glossário técnico sobre esse índice IP).

 

 

Seguem algumas fotos (encontradas na Internet) com exemplo do resultado.

 

 
© 2016. Todos os direitos reservados.